car sharing azores top

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Ilhéu da Vila Franca do Campo - Açores - Portugal

O Ilhéu de Vila Franca do Campo está localizado na costa sul de São Miguel, a cerca de 1 Km da costa da vila que lhe deu o nome. A sua actual morfologia é o resultado da acção da erosão marinha sobre um cone vulcânico com uma composição geológica baseada em tufo.
Presentemente, os bordos da cratera compõem dois ilhéus, o ilhéu Pequenino situado na costa nordeste e o Ilhéu Grande que constitui a maior estrutura emergente. A cratera por eles definida, forma uma baía quase circular com cerca de 150 metros de diâmetro que comunica com o mar através de um pequeno canal orientado a norte, entre o ilhéu Grande e o ilhéu Pequenino. Blocos de rocha basáltica dominam as zonas mais influenciadas pela acção da ondulação, tais como o canal de entrada e as várias fissuras através das quais a água sai da cratera (localmente conhecidas por golas).
Tendo sido descoberto em 1537, a história do Ilhéu de Vila Franca do Campo atravessa numerosos proprietários e funções tão diferentes como de forte militar, porto de abrigo, vigia da baleia e zona de cultura de vinha. Em 1983, face a um uso indiscriminado, surgiu a necessidade de proteger o interesse natural e paisagístico do ilhéu, tendo sido publicado o Decreto Regulamentar Regional n.º 3/83/A, que classificou o Ilhéu de Vila Franca do Campo como Reserva Natural.
A Reserva Natural compreende uma área terrestre de 5 ha, que inclui todo o ilhéu, e a área marítima adjacente até uma profundidade de 30 metros.
Embora marcada por uma forte intervenção humana, as comunidades terrestres incluem ainda matos macaronésios naturais de faia e urze, sobretudo na face norte do ilhéu Pequenino, onde subsistem espécies como o bracel Festuca Petraea, o Juncus Acutus,a urze Erica Scoparia Azorica e a faia-da-terra Myrica Faya. O Ilhéu Grandeencontra-se fortemente dominado pela presença de flora introduzida, sendo a cana Arundo Donax e a árvore de folhagem permanente Metrosideros Tomentosa as mais abudantes.



Relativamente à diversidade de aves da comunidade de aves marinhas que ocorre e nidifica no ilhéu existem referências bem documentadas, tendo a área sido recentemente inclúida na lista de Important Bird Areas dos Açores, publicada este ano pela Birdlife International. No ilhéu e na costa envolvente nidificam uma colónia de cerca de 300 casais de cagarros Calonectris Diomedea e uma colónia de garajáus-comuns Sterna Hirundo de cerca de 10 casais. Existem ainda dados de ocorrência de freira-do-bugio Pterodroma Feae e de Oceanodroma Castro na mesma costa.
A composição e distribuição das comunidades litorais evidenciam diferenças que resultam da localização (mais ou menos exposta) e o tipo de seustrato (sedimentar ou rochoso), traduzindo-se numa das grandes riquezas desta área protegida. Numerosas espécies de algas e invertebrados caracterizam a zona-entre-marés. Entre as mais conhecidas e facilmente identificáveis encontra-se a Ligia Italica (pequeno crustáceo isópode), Melarhaphe Neritoides (gastrópode), Fucus Spiralis (alga castanha localmente conhecida por fava-do-mar), Patella Candei (lapa mansa), Carollina Officinalis (alga vermelha de fonte calcária), Paracentrotus Lividus (ouriço) e Ophidiaster Ophidianus (estrela-do-mar). A nível submarino, as golas encontram-se entre os habitates mais típicos desta área protegida e de maior interesse, sobretudo pela fauna ciáfila que abrigam.

Nos Açores, as paredes destes corredores são normalmente recobertas por organismos como esponjas, briozários encrostrantes, madreporários (como Caryophillia Smithii) e minúsculos hidrários. Sobre o fundo e sobre as irregularidades do substrato, encontramos vulgarmente pequenos camarões de tons avermelhados (Plesionika Narval) e crustáceos de maiores dimensões como caranguejos-ermitas (Dardanus Callidus) e os sempre surpreendentes cavacos (Scyllarides Latus). Ao nível dos peixes, congros (Conger Conger), abróteas (Phycis Phycis) e foliões (Apogon Imberbis), são as espécies mais frequentes.



O fundo da baía interior do ilhéu é composto por rocha nua parcialmente coberta de areia, sendo as zonas sul e sudeste as mais profundas. Para além da comunicação que a baía estabelece com o mar através do canal estreito acima referido, as golas são importantes para a comunidade da baía, na medida em que providenciam trocas adicionais de água e areia entre a baía e o mar aberto. A configuração do banco de areia em forma de crescente, sofre certamente influência de factores sazonais, mas parece resultar da força relativa da água que atravessa as fissuras e da direcção predominante dos ventos.

Sobre o quadrante noroeste da baía desenvolve-se um interessantíssimo povoamento formado por algas calcárias de crescimento livre (maerl). Crescendo a partir dos núcleos centrais, estas algas vão desenvolvendo prolongamentos em várias direcções. À medida que as suas dimensões vão aumentando, as ondas passam a movimentar e a rolar as algas mais frequentemente, levando a um arredondamento do contorno exterior formado pelos vários prolongamentos. No auge do seu desenvolvimento, estes nódulos adquirem uma forma esférica e atingem o tamanho de bolas de golfe. O Ilhéu de Vila Franca do Campo é o único local dos Açores onde se registou a ocorrência deste tipo de povoamento.
Apesar de não ser habitado, o Ilhéu de Vila Franca do Campo sofre uma intensa pressão turística durante a época balnear. No Verão, existe mesmo um barco que estabelece uma carreira regular que chega a transportar para o ilhéu cerca de 600 pessoas por dia - um número claramente excessivo, se tivermos em conta a sua dimensão e os objectivos de conservação da natureza que lhe estão atribuídos.

O Decreto Regulamentar Regional n.º 3/83/A de 3 de Março que classifica o ilhéu como área protegida prevê algumas medidas regulamentares no domínio da exploração dos recursos marinhos. Desta forma, não são permitidas na zona marítima a pesca e a apanha de moluscos, crustáceos e outros invertebrados, bem como a colheita de plantas aquáticas.
No entanto, face à elevada pressão turística que se faz sentir na ilha de São Miguel, o uso e acesso ao ilhéu deverão ser avaliados em função da protecção das espécies e habitates naturais que se pretende para aquela área. Neste sentido, e uma vez que a pressão se verifica especialmente durante a época balnear, a gestão dos recursos costeiros e marinhos do ilhéu de Vila Franca do Campo irá exigir a combinação de uma série de medidas que vão desde acções dirigidas a áreas ou usos particulares até regulamentos gerais que se aplicam à totalidade da área.

1 comentário:

Sonia disse...

Como é lindo este lugar. Não é a toa que minha mãezinha falava tanto em sua terra, pena que não pode mais voltar aos Açores. Mas eu não quero morrer sem um dia poder conhecer a terra dos meus avós e de minha maezinha, que amava tanto os Açores.
Sonia

car sharing azores footer