car sharing azores top

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Vila do Porto - Restauracao e Mercados - Acores - Portugal

A Vila dispõe da grande parte dos restaurantes: Pipas Churrasqueira, Restaurante Pub Bar 55, Arriba Bar, Central Pub, A Lanchonete e o Restaurante Atlântida. Os cafés populares são imensos e encontram-se um pouco por toda a parte.
Os supermercados proporcionam espaços pequenos mas recheados com os bens essenciais: Supermercado Batista e Supermercado Ângelo na Rua Dr. Luís Bettencourt, O Supermercado Frescos e C. na Rua da Lomba e zona histórica da vila. O mini-mercado Resendes na rua Teófilo Braga. O mercado municipal é ponto obrigatório de passagem com peixe e carne fresca.

Vila do Porto - Jardins e Espacos de Lazer - Santa Maria - Acores

Vila do Porto dispõe de um jardim central em jeito de praça com coreto. É lá que se dão as festas e romarias e é o palco de todas as festas. Dispõe de bancos de jardim onde os idosos vêm passar o tempo e onde se conversa sobre o passado e o futuro da terra. Na zona histórica está em fase de acabamento uma praça nova, destinada a promover a zona. A Vila dispõe ainda de um Parque Florestal onde é possível fazer piqueniques e churrascos, bem como brincar nos equipamentos infantis ou disfrutar da vista para o vale e brincar com os animais, naquilo que é o único parque zoológico da ilha. Na Banda 24 de Agosto existem também jardins onde se pode brincar em segurança. Nos Anjos foi instalado recentemente um equipamento de brincadeiras infantis.

Está prevista a inauguração do Complexo Desportivo de Santa Maria para este ano ainda, onde se poderão praticar todo o tipo de desportos, desde a natação, passando pelo andebol, futebol e basquetebol.

Vila do Porto - Edificios Publicos e Igrejas - Santa Maria - Acores

Vila do Porto apresenta duas partes distintas, a mais moderna que fica para cima da Matriz e a mais antiga que vai da Matriz até ao cais. Tem ruelas estreitas, canadas e travessas com cariz sombrio e medievo.
O Hospital da Santa Casa da Misericórdia foi fundado em 1500, mais tarde por más condições, sobretudo, pelo fraco espaço que apresentava foi substituído pelo actual Centro de Saúde de Vila do Porto, situado na avenida do concelho. O antigo hospital apresenta-se hoje como um lar de idosos.
Em termos de igrejas esta localidade apresenta cinco: a Nossa Senhora da Assunção, a Nossa Senhora da Vitória, a igreja de Santo Antão, a do Senhor dos Passos e a Nossa Senhora da Conceição da Rocha. A primeira é Matriz e principal igreja, cujo nome deu-se através da invocação da Assunção de Nossa Senhora. Esta igreja tem três naves, uma central e duas laterais, com oito capelas: a capela-mor e duas colaterais; nas naves laterais, a do Bom Jesus, Nossa Senhora do Carmo, Santo André, Santa Catarina e Almas. Existia também uma Capelinha do Baptismo e do Santo dos Óleos.

A Igreja de Nossa Senhora da Assunção sofreu várias destruições e profanações, uma delas foi o assalto em Agosto de 1576 pelos franceses e em 1599 pelos ingleses, tendo sido também queimada em Julho de 1616 pelos argelinos e turcos. Para estas reconstruções e melhoramentos grandes dificuldades haveriam para se conseguir fundos, isto apesar de Filipe IV (III de Portugal) impor a obrigação de não a gozar dos frutos dela senão depois de cinco anos. Assim, em 1630, a Câmara Municipal concertou a igreja.
No século XVIII e XIX, os concertos e todas obras nela feitas foram realizadas com o auxílio do povo e das confrarias. Isto sucedeu-se devido ao incêndio da Matriz, no dia 6 de Outubro de 1832, dia da festa da Nossa Senhora do Rosário, pois sua reconstrução foi feita à custa de paroquianos.
O lançamento da primeira pedra referente à igreja foi a 6 de Março de 1609. O convento necessitou de obras de reconstrução em 1725, devido à sequela dos piratas nos anos 1616 e 1675. Este convento desempenhou até a altura da sua extinção, um papel fundamental a nível da ilha, não só na área religiosa, mas também na área educativa. Actualmente, encontram – se no antigo convento vários serviços públicos, desde a câmara municipal; o tribunal da comarca de vila do porto e a secção de finanças e tesouraria.
A igreja de Santo Antão era do século XVI uma ermida erecta, sendo depois reconstruída em 1933, cuja bênção ocorreu em Janeiro do ano seguinte.

A igreja do Senhor dos Passos foi construída no século XVI, possui pintura artística antiga e a imagem de Cristo. Todos os anos organiza-se aqui cortejo processional.
Por fim, a igreja Nossa Senhora da Conceição da Rocha, vulgarmente conhecida por Santa Luzia, foi segundo a tradição, a primeira erguida nesta vila e, como tal, era antigamente a Matriz.

A Biblioteca Pública de Santa Maria situa-se no centro e está alojada no edifício de um antigo convento, aliás, é bem visível esse legado, tanto por dentro como por fora.

O Forte de São Brás é dos poucos espaços revitalizados na zona histórica de Vila do Porto, alberga neste momento um estabelecimento de diversão nocturna. O Forte de São Brás, sobranceiro ao porto da Vila, constitui um exemplo de arquitectura militar, construído durante o domínio filipino para proteger a população dos frequentes ataques de piratas. No seu interior encontra-se a Ermida de Nossa Senhora da Conceição da Rocha.

Outros pontos de interesse são as ruínas da casa do capitão João Soares de Sousa (século XVI), com as suas janelas góticas, os solares antigos, com portadas góticas, janelas manuelinas e telhados de quatro águas, e os paços do concelho, situados no antigo Convento de São Francisco de Vila do Porto, um edifício do século XVII, que alberga actualmente a Câmara Municipal e outros organismos públicos, destacando-se o claustro com arabesco e um jardim interior.

Caracterizacao Vila do Porto - Santa Maria - Acores - Portugal

Vila do Porto é a principal freguesia da ilha e dá nome ao próprio concelho. Vila do Porto tem cerca de 3 000 habitantes e uma área de 26, 04 km², o que dá uma densidade populacional de cerca de 115 habitantes por km². É a mais antiga vila açoriana. Está dividida em duas partes: abaixo da Igreja Matriz, que mantém o traçado primitivo das ruas de cariz medieval; acima da Igreja Matriz, mais recente, que se desenvolve ao longo de uma rua comprida e larga, sobre uma lomba entre duas ribeiras (a Grande, hoje chamada de São Francisco, e a do Sancho).

Historia de Santa Maria - Acores - Portugal

Situada no extremo sudeste do maravilhoso Arquipélago dos Açores, a Ilha de Santa Maria foi a primeira deste arquipélago a ser oficialmente descoberta, por Diogo Silves, cerca de 1427, situando-se a sua capital em Vila do Porto, a mais antiga das vilas Açorianas.
O arquipélago dos Açores divide-se em três grupos: o Grupo Oriental constituído por São Miguel, Santa Maria e os ilhéus das Formigas; o Grupo Central com Faial, Pico, São Jorge, Terceira e Graciosa e o Grupo Ocidental, formado pelas ilhas Flores e Corvo. As datas de descobrimento do Arquipélago são uma incógnita, existindo correntes históricas que afirmam já virem designados em mapas Genoveses desde 1351, contudo foi a partir de 1431 que as Ilhas começaram a ser povoadas.


Com uma superfície de 97km2, e caracterizada pelas suas baías de recorte profundo, a Ilha de Santa Maria mantém as suas antigas tradições aliadas a um património arquitectónico único e a uma natureza surpreendente, dona de grandes proporções de terra de origem sedimentar onde se encontram variados fosseis marinhos, testemunho do passar dos séculos neste território.O ponto mais elevado da Ilha situa-se no Pico Alto, a 590 metros de altitude, seguindo-se os Picos das Cavacas a 491 metros e o da Caldeira a 481 metros, de onde se têm panoramas de grande beleza que permitem perscrutar a intensidade natural deste território.
Local de férteis terrenos, tem sabido ao longo dos séculos tirar proveito do melhor que a terra pode oferecer, baseando a sua economia na actividade agrícola e pecuária, mas também noutro sectores, como os meios de comunicação, nomeadamente aéreos, com grande desenvolvimento desde a criação do Aeroporto.


A Ilha de Santa Maria caracteriza-se pelos seus núcleos habitacionais que muito fazem lembrar as regiões continentais do Algarve e Alentejo, com casas de alvenaria branca e faixas coloridas, uma vez que os primeiros colonos derivavam na sua maioria destas regiões, corria ainda o século XV. Plena de beleza natural, Santa Maria é conhecida pelas belas cores das suas paisagens, onde o amarelo e ocre do solo e das culturas, o verde dos campos e o profundo azul do oceano provocam panoramas sem igual, tendo sempre muito para conhecer e oferecer, proporcionando as melhores condições par a prática de desportos e actividades de natureza e lazer ou simples contemplação.
No Museu de Santa Maria, em Santo Espírito, fica-se a conhecer mais da história e etnografia desta bela Ilha, que é famosa também pelo seu Artesanato com artigos em barro vermelho, em lã, vime e palha. Já a nível gastronómico, o peixe e marisco são os reis da mesa, que também se veste de uma grande variedade de vegetais e é dona de uma rica doçaria, vinho e licores regionais.

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Historia Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

A história desta bela Freguesia não é fácil de traçar. A sua constituição, enquanto lugar ou pequena freguesia, remontará a uma época anterior à da edificação da sua principal igreja, a de Nossa Senhora da Estrela, na época de quinhentos.
Um facto, todavia, inultrapassável é o de ser a primeira de entre todas as que constituem a cidade: a sua toponímia para isso aponta – Matriz (mãe).
A freguesia é rica de monumentos e locais de interesse. Prova disso são as suas igrejas e os seus edifícios de boa traça arquitectónica. Situada no cimo de uma enorme escadaria, a qual os locais chamam de cascata, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Estrela é um imóvel de interesse público. A sua construção iniciou-se na era de quinhentos, tendo sido muito alterada ao longo dos tempos. A sua actual feição data do século XVIII, apresentando hoje uma altaneira fachada barroca e um interessante interior de três naves. Nele se destacam o altar dos Reis Magos, a talha da capela do Santíssimo, o cadeiral do altar-mor, os frescos do tecto dedicados à Virgem e a porta em ferro forjado do Baptistério.



No coro alto encontra-se um conjunto de grande valor artístico, conhecido pelo nome de Arcano. Trata-se de uma vitrina onde se podem admirar centenas de pequenas figuras, moldadas em farinha de arroz, goma-arábica e alúmen, dispostas em vários planos, representando cenas do Antigo e Novo Testamento, tudo esculpido pela freira Clarissa Margarida do Apocalipse, no século XIX.
A sacristia alberga um pequeno museu sacro, com alfaias em prata, imagens e um tríptico flamengo dedicado a Santo André (século XVI).
A Igreja do Espírito Santo (também conhecida, localmente, por Igreja do Senhor dos Passos) é um templo do século XVII com uma espectacular fachada barroca, sendo um dos mais impressionantes exemplares deste estilo existentes no arquipélago. O interior, de duas naves e de decoração simples, contrasta vivamente com o exterior.
Para além destes templos existem várias ermidas, como as de Santo André (século XVI/XVII), Santa Luzia (século XVI) e a de Nossa Senhora da Salvação (século XVII). A ermida de Nossa Senhora de Fátima é mais recente.




A freguesia da Matriz dispõe ainda de belos exemplares de arquitectura civil açoriana, abrangendo um período que vai desde o século XVI ao século XVIII. Merecem especial referência o Solar do Botelho (século XVII) e o Solar e Capela de São Vicente (século XVIII).
Ocupando uma posição privilegiada no centro da cidade, o edifício dos Paços do Concelho data do século XVI-XVII, possuindo uma escadaria exterior e torre do relógio, característica comum aos edifícios municipais dessa época. No seu interior encontra-se a antiga pedra do Pelourinho, bem como uma colecção de retratos dos Chefes-de-Estado, desde D. Maria II até aos nossos dias.
Na esquina da casa contígua há uma bela janela, em estilo manuelino (século XVI), que muitos pensam provir da primitiva igreja matriz.
A Ponte de Oito Arcos constitui um dos ex-libris da cidade da Ribeira Grande. Edificada no século XIX, esta ponte de boa alvenaria é uma obra do engenheiro militar Sousa Silva. Aliás, a esta ponte e à ribeira que por ela passa e que dá nome a toda a cidade está intimamente ligada a história da freguesia que, ainda hoje, tem nos moinhos de água um património histórico insubstituível.





A Casa Municipal da Cultura, instalada no antigo Solar de São Vicente, belo exemplar de arquitectura setecentista, apresenta colecções de azulejaria, cerâmica e etnografia, que vão do século XVI aos nossos dias. Expõe ainda o curioso presépio movimentado do Senhor Prior. Na capela do solar podem apreciar-se valiosas pelas de Arte Sacra, nomeadamente um retábulo setecentista e uma imagem barroca de São Vicente de Ferreira.
O Teatro Ribeiragrandense, virado para a vertente cultural, possui, hoje em dia, excelentes condições para a realização de espectáculos musicais, teatrais, cinematográficos e outros eventos.
As Caldeiras da Ribeira Grande, um aprazível local de veraneio localizado num pequeno vale a cerca de 5 km da Matriz, reúne à sombra de denso arvoredo um estabelecimento termal e várias nascentes de água mineral. Neste local está também situada a Ermida de Nossa Senhora da Saúde (século XIX).
Refira-se, ainda, que a Matriz constitui o centro nevrálgico de todos os serviços do Concelho e da Cidade.
A Freguesia de Ribeira Grande – Matriz é um local pleno de história e interesse e é, sob o ponto de vista patrimonial e cultural, um dos lugares da Região que apresenta maior riqueza.

Lomba de Sao Pedro - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

A freguesia da Lomba de São Pedro apresenta uma área geográfica de 8,25 km2, confrontando com o mar e com as freguesias de Fenais da Ajuda (concelho de Ribeira Grande), Furnas (concelho de Povoação) e Salga (concelho de Nordeste).

Fenais da Ajuda - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

Englobando também o lugar da Ribeira Funda, a freguesia dos Fenais da Ajuda ocupa uma área geográfica de 13,36 Km2.Situada na costa norte da ilha de São Miguel, esta freguesia confronta com o mar e com as freguesias de Lomba da Maia e Lomba de São Pedro (concelho de Ribeira Grande) e Furnas (concelho de Povoação).

Lomba da Maia - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

Possuindo uma área geográfica de 20,50 km2, onde se inclui o lugar do Burguete, a freguesia da Lomba da Maia confronta com o mar e com as freguesias de Maia e Fenais da Ajuda (concelho de Ribeira Grande) e Furnas (concelho de Povoação).O topónimo desta freguesia deriva do facto dela se encontrar situada numa lomba ou dorso de um monte sobranceira à Maia, daí o seu nome.


Maia - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

Situada na costa norte e ocupando uma superfície de 21,97 km2, onde se inclui os lugares de Gorreana e Lombinha da Maia, a freguesia da Maia confronta com o mar e com as freguesias de São Brás e Lomba da Maia (concelho de Ribeira Grande), Ribeira das Tainhas e Ponta Garça (concelho de Vila Franca do Campo) e Furnas (concelho de Povoação).

Sao Bras - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

A freguesia de São Brás possui uma área aproximada de 9,08 km2, confrontando com o mar e com as freguesias de Porto Formoso e Maia (concelho de Ribeira Grande) e Ribeira das Tainhas (concelho de Vila Franca do Campo).

Lagoa de São Brás

Porto Formoso - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

A freguesia de Porto Formoso fica situada na costa norte da ilha de São Miguel, confrontando a sul com a freguesia de São Miguel (concelho de Vila Franca do Campo), a este com as freguesias de São Brás e Maia e a oeste com as freguesias de Ribeirinha e Nossa Senhora da Estrela (concelho de Ribeira Grande).
Com uma superfície de 11,87 km2 e distando cerca de 14 quilómetros da sede do concelho a que pertence, Ribeira Grande, o nome desta freguesia advém-lhe do seu porto, abrigado ao fundo de uma belíssima enseada, daí formoso.

Ribeirinha - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

A freguesia da Ribeirinha, com uma área de aproximadamente 18,05 km2, confronta com o mar e com as freguesias de Nossa Senhora da Estrela e Porto Formoso (concelho de Ribeira Grande).

Matriz - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

Com uma área geográfica de cerca de 10,82 km2, onde se inclui os lugares de Caldeiras e Lombadas, a freguesia da Matriz confronta com o mar e com as freguesias da Conceição, Ribeirinha (concelho de Ribeira Grande) e São Miguel (concelho de Vila Franca do Campo).
A toponímia desta freguesia – Matriz – deve-se ao facto de ser a freguesia-mãe da Ribeira Grande, tanto a nível geográfico como histórico.




Conceicao - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

A freguesia da Conceição, parte integrante da cidade da Ribeira Grande, ocupa uma área de 12,74 km2 e confronta com o mar e com as freguesias de Água d’Alto (concelho de Vila Franca do Campo), Ribeira Seca e Nossa Senhora da Estrela (concelho de Ribeira Grande).

Ribeira Seca - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

Com uma superfície de 12,56 km2, a freguesia da Ribeira Seca, conjuntamente com as freguesias de Nossa Senhora da Estrela, Conceição, Ribeirinha e Santa Bárbara, é parte integrante da cidade da Ribeira Grande.Localizada na costa norte da ilha, esta freguesia confronta com o mar e com as freguesias de Rabo de Peixe, Santa Bárbara, Conceição (concelho de Ribeira Grande) e Água de Pau (concelho de Lagoa).

Santa Barbara - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

Integrada na cidade da Ribeira Grande, a freguesia de Santa Bárbara possui uma área de 12,72 km2 e confronta com o mar e com as freguesias de Rabo de Peixe e Ribeira Seca (concelho de Ribeira Grande), Cabouco, Rosário e Santa Cruz (concelho de Lagoa).

Rabo de Peixe - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

Com uma área geográfica de 16,98 km2, onde se inclui o lugar de Santana, a Vila de Rabo de Peixe confronta com o mar e com as freguesias de Calhetas, Pico da Pedra, Ribeira Seca e Santa Bárbara (concelho de Ribeira Grande), Livramento (concelho de Ponta Delgada) e Cabouco (Concelho de Lagoa).

Pico da Pedra - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores

A freguesia do Pico da Pedra, situada na costa norte, confronta com as freguesias de Calhetas e Rabo de Peixe (concelho de Ribeira Grande), Livramento, São Roque, Fajã de Cima e Fenais da Luz (concelho de Ponta Delgada).Com uma área aproximada de 6,5 km2, dista cerca de 8 quilómetros da cidade de Ponta Delgada e 10 quilómetros da sede do concelho a que pertence, a cidade da Ribeira Grande.

Calhetas - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

Com uma área geográfica de 4,70 km2, a freguesia de Calhetas dista cerca de 11,4 quilómetros da cidade de Ponta Delgada e 9,1 quilómetros da sede do concelho a que pertence, a cidade da Ribeira Grande.Tendo como Santa Padroeira Nossa Senhora da Boa Viagem, a freguesia de Calhetas confronta com o mar pelo norte, a sul pela freguesia de Pico da Pedra, a este pela freguesia de Rabo de Peixe (concelho de Ribeira Grande) e a oeste pela freguesia de Fenais da Luz (concelho de Ponta Delgada).

Nucleos Populacionais - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

O Concelho da Ribeira Grande tem a sua sede na Cidade com o mesmo nome, constituída pelas freguesias da Matriz, Conceição, Ribeirinha, Ribeira Seca e Santa Bárbara. Para além destas o município abrange as freguesias de Calhetas, Pico da Pedra, Rabo de Peixe [com a categoria de Vila], Porto Formoso, São Brás, Maia, Lomba da Maia, Fenais d’Ajuda e Lomba de São Pedro.


Clima - Ribeira Grande - Sao Miguel - Acores - Portugal

O clima é, como em todo o arquipélago, ameno e temperado marítimo. A localização do Concelho na costa norte da ilha proporciona-lhe um clima mais seco e por vezes mais fresco que o da costa sul. A temperatura média anual situa-se nos 17ºC, sendo o mês de Fevereiro o mais frio [13,6ºC] e o de Agosto o mais quente [21,8ºC].


Ribeira Grande Vegetacao - Acores - Sao Miguel - Portugal

O Concelho da Ribeira Grande é um dos mais férteis do arquipélago, apresentando uma vegetação abundante e variada.
A Serra de Água de Pau abriga uma importante reserva natural com valiosos exemplares da flora indígena, como a urze, a queiró, o louro e o cedro do mato.


O resto do Concelho está totalmente aproveitado pelo homem. Predomina a exploração agro-pecuária, a pastagem, nas terras altas, enquanto as mais baixas são dedicadas à agricultura. O domínio florestal também tem alguma importância, principalmente as matas de criptoméria, árvore originária do Japão e largamente utilizada na construção civil.


Ribeira Grande Paisagem - Sao Miguel - Acores - Portugal

O Concelho da Ribeira Grande oferece aos visitantes sugestivos recantos paisagísticos. Nele o verde matizado dos campos, a alvura dos povoados, a frescura das ribeiras, a tranquilidade das lagoas e a majestade das montanhas, em fundo de mar e céu azul, misturam-se harmoniosamente numa paisagem sem igual.


Ribeira Grande - Relevo - Sao Miguel - Acores - Portugal

O relevo é dominado pelo maciço vulcânico da Serra de Água de Pau, em cuja caldeira se situa a Lagoa do Fogo. As suas elevações principais são o Pico da Barrosa [947m] e o Monte Escuro [890m]. É neste último que a Ribeira Grande tem a sua nascente, sendo a linha de água com maior caudal do Concelho.

Entre a Serra de Água de Pau e o mar, e ao nível deste, situa-se uma planície onde está localizada a Cidade da Ribeira Grande.
A origem vulcânica do maciço de Água de Pau manifesta-se pela existência de fumarolas na Caldeira Velha e nas Caldeiras da Ribeira Grande, bem como por várias nascentes de água mineral: Lombadas, Gramas, Ladeira da Velha.

O litoral é caprichosamente recortado. Predominam as arribas, por vezes altas, interrompidas aqui e acolá por troços de praia, como as da Cidade da Ribeira Grande [Areal de Sta. Bárbara e Monte Verde], a dos Moinhos [Porto Formoso] e a da Viola [Lomba da Maia].

Ribeira Grande - Geografia - São Miguel - Acores - Portugal

O Concelho da Ribeira Grande situa-se na costa norte da ilha de S. Miguel, a maior e mais populosa das nove ilhas que constituem os Açores.

Este Concelho é um dos seis em que está dividida a ilha de São Miguel. Tem a circundá-lo o Oceano Atlântico [a norte] e os Concelhos de Nordeste [a leste], Povoação [sueste], Vila Franca do Campo e Lagoa [a sul] e Ponta Delgada [a sudoeste e a oeste].

O Concelho da Ribeira Grande é o mais plano de toda a ilha, abrangendo 179,5 km2 e 14 freguesias.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Serra da Tronqueira - São Miguel - Açores - Portugal

A Serra da Tronqueira é uma elevação portuguesa localizada no concelho do Nordeste, ilha de São Miguel, arquipélago dos Açores.
Este acidente geológico tem o seu ponto mais elevado a 906 metros de altitude acima do nível do mar.
É nos contrafortes desta serra e no Pico da Vara que se encontra o Priolo, passariforme em vias de extinção com a designação científica de Pyrrhula murina. Este pássaro que até aos príncipios de 2007 apenas podia ser observado nas emidiações desta Serra e no já mencionada Pico da Vara tem sido encontrado já em 2008 a menores altitudes graças aos cuidados de protecção que lhe tem sido aplicados. Aqui localiza-se também o Centro Ambiental do Priolo, situado na localidade da Pedreira.



Nas suas imediações localiza-se o Pico Bartolomeu e na extremidade oposta o Outeiro Alto. Nas encostas desta serra nasce a Ribeira da Tosquiada e alguns dos afluentes da Ribeira do Guilherme ou Ribeira dos Moinhos como também é conhecida.

Vale das Furnas - Sao Miguel - Acores - Portugal

Enorme caldeira e viçoso jardim em que o colorido das flores se mistura com o verde brilhante das criptomérias e araucárias. Frondosa vegetação de países frios e países tropicais, com algumas espécies difíceis de encontrar nos países de origem.
A tranquila e romântica Lagoa das Furnas, com o perfil gótico da Ermida José do Canto - dedicada a Nossa Senhora das Vitórias - projectado nas suas águas límpidas, convida a momentos de repouso. Nas suas margens, sulfataras vulcânicas, e as "cozinhas naturais", em que se obtém o famoso "cozido" enterrando no solo os tachos, hermeticamente fechados. As Caldeiras são uma área de manifestações vulcânicas diversas, sendo uma das mais espectaculares a caldeira de Pêro Botelho, com a sua lama fervente. Junto às Caldeiras, as nascentes de água termal a diversas temperaturas. Integradas neste conjunto, as Termas Pavilhões e hospital termal (séc. XIX).


O Parque Terra Nostra, com base nas plantações iniciadas no séc. XVIII por Thomas Hickling, prosseguidos no séc. XIX, na pitoresca freguesia das Furnas, é uma visão romântica de lagos, caminhos sinuosos, flores, árvores exóticas centenárias, silêncio. Lago-piscina de água termal quente, confluência de duas ribeiras.
Integrados no complexo turístico do Vale das Furnas, um campo de golfe e "courts" de ténis.

O Vale das Furnas é atravessado por duas caudalosas ribeiras, uma de água fria e outra de água quente, colorida pele ferro em suspensão. Típicas azenhas.
Nas proximidades, o Pico do Ferro, miradouro que oferece amplos panoramas sobre o Vale das Fumas. Cascatas.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Lagoa do Fogo - Sao Miguel - Acores - Portugal

A lagoa do Fogo é uma das maiores lagoas dos Açores e a segunda maior da ilha de São Miguel, e é classificada desde 1974 como reserva natural.
Faz parte integrante da Rede Natura 2000, pelo facto de ter sido classificada como Sítios de Importância Comunitária. SIC (Açores), aprovado por Decisão da Comissão Europeia no dia 28 de Dezembro de 2001, nos termos da Directiva Habitats 92/43/CEE do Conselho. Esta lagoa de águas muito azuis ocupa uma área de 1 360 há, que é bastante tendo em atenção as dimensões da própria ilha.



A lagoa do Fogo, ocupa a grande caldeira de vulcão adormecido do fogo. Este vulcão dá forma ao grande maciço vulcânico da Serra de Água de Pau, localizado no centro da ilha de São Miguel. Todas esta zona é rodeado por uma densa e exuberante vegetação endémica.
Esta caldeira vulcânica, tal como o vulcão que lhe deu forma é a mais jovem da ilha de São Miguel e ter-se-á formado há cerca de 15 000 anos. A sua configuração actual é resultado do último colapso, tido como importante e que ocorreu no topo do vulcão, há aproximadamente 5 mil anos. A última erupção data de 1563.

Esta Lagoa, é também a lagoa mais alta da ilha de São Miguel, facto que se deve a se encontrar no cimo de uma montanha cujo ponto mais alto se eleva a 949 metros. Localiza-se no topo do grande vulcão do Fogo, também conhecido como vulcão de Água de Pau. A caldeira tem forma de colapso tem forma elíptica e dimensões aproximadas de 3 x 2,5 km. As paredes desta caldeira chegam a atingir desníveis de 300 metros.

A lagoa devido a se encontrar no centro da cratera localiza-se a uma cota bastante mais baixa, encontrando-se a 575 metros. A profundidade máxima atingida nesta lagoa são os 30 metros. Dentro de todo o perímetro da Reserva Natural, lagoa, cratera, e vertentes da mesma, destacam-se bastantes espécies de plantas endémicas dos Açores: é o caso do cedro-do-mato (Juniperus brevifolia), o louro (Laurus azorica) e o sanguinho (Frangula azorica). Surgem ainda a malfurada (Hypericum foliosum), a urze (Erica azorica) e o trovisco-macho (Euphorbia Stygiana).



A principal fauna, aqui representada pelos pássaros de pequenas dimensões é muitas vezes acompanhada por aves de grande porte como as aves de rapina. Assim, surge nos ares da lagoa, além das aves caracteristicamente terrestres como o pombo-torcaz-dos-Açores (Columba palumbus azorica), o milhafre ou queimado (Buteo buteo rothschildi), a alvéola-cinzenta (Motocilla cinérea) e o melro-preto (Turdus merula azorensis), as aves marinhas como a gaivota (Larus cachinnans atlantis) e o garajau-comum (Sterna hirundo).

Pico do Carvao - Sao Miguel - Acores - Portugal



O Pico do Carvão com amplos horizontes sobre o mar e o centro da ilha dominando as costas norte e sul. Nas proximidades, as Lagoas do Carvão, do Canário e Rasa, além de outras mais pequenas, envoltas pelo verde fresco das árvores e das pastagens.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Igreja de Sao Nicolau - Sete Cidades - Sao Miguel - Acores - Portugal

A Igreja de S. Nicolau, de estilo neogótico, foi construída no século XIX, passando a ser sede de curato e de paróquia, na segunda metade do século XX.



Sete Cidades - Historia - Sao Miguel - Acores - Portugal

Sete Cidades é uma freguesia portuguesa do concelho de Ponta Delgada, Região Autónoma dos Açores, com 19,22 km² de área e 858 habitantes (2001). Densidade: 44,6 hab/km². Localiza-se a uma latitude 37.87 norte e a uma longitude 25.78 oeste, estando a cerca de 260 metros de atitude no interior da caldeira do vulcão das Sete Cidades, na margem oriental da lagoa do mesmo nome.O nome da freguesia tem raízes nas lendárias Sete Cidades do Atlântico e é uma das múltiplas ocorrências do topónimo nas zonas de expansão portuguesa quinhentista.


Sete Cidades tem uma escola do 1.º ciclo, uma igreja (São Nicolau), e um campo de futebol.
Situa-se esta freguesia na parte oeste da ilha de S. Miguel, nas Cumieiras da Bretanha. Dista cerca de 32 km da sede do concelho de Ponta Delgada e é limitada pelas freguesias da Bretanha, Remédios, Relva, Feteiras, Candelária, Ginetes e Mosteiros. Tal como a freguesia das Furnas, esta povoação localiza-se no interior de uma cratera, estendendo-se pela margem oeste da Lagoa Azul.Esta cratera é uma espécie de fosso de grande profundidade, de 12 km de circunferência, completamente fechada em toda a volta. No fundo, espraia-se água onde se reflecte o arvoredo que abunda nas vertentes.Apresenta este vale uma lagoa principal, maior que as restantes, conhecida por Lagoa Azul, e outra, a sul, conhecida por Lagoa Verde, seguindo-se outras lagoas ou caldeiras menores: a de Santiago, a Rasa e a do Alferes. Junto à margem da lagoa maior, destaca-se uma povoação de casas brancas.


O solo, extremamente poroso, permite o escoamento das águas através das fendas do basalto. Todavia, não sendo suficiente este escoamento, foi construído um túnel que garante a estabilidade do nível da água. Sete Cidades emergiu das entranhas de um vulcão, cujo cone gigantesco a isola do mar e do mundo. Foi em consequência dos grandes cataclismos sísmicos verificados em 1444, que se formou a sua bacia hidrográfica. O nível das águas das lagoas está aproximadamente a 251 metros do nível do mar, sendo de 19 metros, a sua maior profundidade.


O primeiro documento que menciona os Açores como terra já descoberta, foi passado em 1439 pela chancelaria de D. Afonso V, inferindo-se da sua leitura o intuito de mandar povoar as ilhas, para o que já fizera o trabalho preliminar da distribuição dos animais necessários à alimentação do homem, tendo ficado ligado a esta tarefa o nome de Frei Gonçalo Velho, primeiro capitão donatário das ilhas de Santa Maria e S. Miguel.
Todavia, o povoamento de S. Miguel só teve lugar a partir de 1474, isto é, depois de Rui Gonçalves da Câmara ter comprado a capitania da ilha a João Soares de Albergaria, em grande parte devido às dificuldades de comunicação com o Continente e porque os portugueses procediam aos primeiros ensaios de navegação no mar alto.
Assim, com ampla experiência colonizadora adquirida na Madeira, foi ele quem promoveu a vinda de colonos e quem procedeu à divisão e distribuição das terras, para serem arroteadas e cultivadas.

Segundo reza a tradição, os descobridores aportaram a um lugar que se haveria de chamar, mais tarde, Povoação Velha. Continuaram depois até Vila Franca do Campo, para finalmente chegarem a Ponta Delgada.
Inicialmente, esta povoação foi um pequeno povoado de pescadores atraídos pelas suas seguras enseadas. Assim, o povoamento da ilha de S. Miguel processou-se a partir do litoral, sendo, portanto, desabitado, nos primeiros tempos, todo o seu interior. Tal também aconteceu a Sete Cidades.

Lagoa das Sete Cidades - Acores - Sao Miguel - Portugal

A lagoa das Sete Cidades é o maior lago de água doce dos Açores, ocupando uma área de 4,35 km quadrados na parte oeste da ilha de São Miguel. A lagoa das Sete Cidades é um duplo lago composto pelas lagoas Verde e Azul, ligadas por canal pouco profundo atravessado por uma ponte baixa sobre a qual passa a estrada de acesso à freguesia das Sete Cidades. O cumprimento máxima do lago, no sentido norte-sul, é de 4,2 km, por uma largura de 2,0 km. A profundidade máxima é de 33 m. Existem muitas lendas sobre estas duas lagoas, incluindo a da princesa e do pastor.Este estrato-vulcânico, de uma superfície de 110 km2 , constitui a parte oeste da ilha de São Miguel nos Açores.


O vulcão Sete Cidades tem feito as as capas de revistas e reportagens sobre os Açores e a Ilha de São Miguel e os seus vulcões: Furnas, Lagoa do Fogo. O Vulcão Sete Cidades tem a particularidade de apresentar uma das mais belas caldeiras dos Açores e mesmo do mundo. Este local na Primavera é de uma beleza sem igual, com hortências e Fuschias e a vegetação em geral despontando. A cratera circular com 5km de diâmetro(18 km2), profunda com paredes de 400 m. Esta cratera pela sua forma é uma forma designada pelo termo caldeira. Esta caldeira apresenta alguns edificios vulcânicos e dois lagos que estão a uma altura de 251 metros:Lagoa Azul (ao norte) e a Lagoa Verde(ao sul). O ponto culminante é o Pico da Cruz com 845m.A lava mais antiga conhecida é um Traquito(Traquito é uma rocha eruptiva comum entre a produção lávica de erupções vulcânicas pós-caldeira) , com uma idade de 210 000 anos.
Esta lava diz-se diferenciada por ser mais rica em silicio que o basalto o que pressopõe que o vulcão já tinha uma câmara de magma. A idade das Sete Cidades é talvez muito importante. segundo as datações rádicronológicas, a caldeira formou-se , á 22 000 anos, a seguir á emissão de pedras-pomes de natureza igualmente traquiticas. A erupção foi acompanhada de uma coluna de cinza com muitos Km de altura e de nuvens ardentes. Esta erupção relativamente recente permite compreender os vulcões mais antigos que apresentam igualmente uma caldeira, mas mais dificeis de entender. Deram-se uma série de erupções no exterior e interior. A primeira erupção pós-caldeira deu-se á 17 160 anos, com um grupo de explosões traquiticas sobre o flanco externo oeste.



Após uma fase de reposo, de cerca de 10 000 anos estes aparelhos vulcânicos entraram em actividade no fundo da caldeira.. Pode-se distinguir a partir de norte para sul e no sentido contrário dos ponteiros do relógio: Seara(5 000 B.P.), Caldeira do Alferes(4 000 B.P.) Caldeira Seca(em 1 444 B.P.)(estes dois compostos de Traquiticos apresentam uma ligeiramente picos com uma cavidade sugerindo um lago). Segundo outra fonte o cone de escórias de Cerrado das Freiras situado a este do Lago Azul ter-se-á formado em 1444.A actividade extra-caldeira das Sete Cidades manifestou-se com pequenas emissões de lava, as mais recentes encontram-se a oeste da Ilha de São Miguel: Ponta da Ferraria(840 B.P) e no Pico das Camarinhas (1713)


Erupções Históricas
A data de 1444 é relatada , a fonte foi tirada do estudo de Georges Zbyszewski , Os Fenómenos Vulcânicos Modernos no Arquipélago dos Açores , Comunicações dos serviços Geológicos de Portugal, Tomo XLVII, 1963. Este autor faz menção ao Arquivo dos Açores , Vol 1,1(1878). A localização é imprecida e a segunda viagem dos navegadores portugueses após a descoberta dos Açores em 1427 observou ( qua a alta montanha que eles tinham visto a partir da costa dos Mosteiros estava (quente). A superficie do mar estava coberta de pedra-pomes e troncos de árvore.
Segundo outras fontes(Forjaz,1997) após um estudo histórico das erupções, estas podem-se ter dado em 1439 e 1460, mas não existe nenhuma referência á erupção de 1444. No final de 1713, a erupção do pico de Camarinhas que formou a ponta de Ferraria. Á pouco tempo a zona vulcânica das Sete Cidades apresentou uma crise sísmica em Junho de 1998 que culminou na noite de 2 para 3 de Agosto com 120 sismos registados em três horas.



Erupções Submarinas ao largo das Sete Cidades
As erupções submarinas deram-se : 1638, 1682, 1811, 1981. Na erupção de 14 a 22 de Junho de 1811 uma ilha apareceu a 2 Km da costa . Esta nova ilha tinha 2Km de comprimento e 90 metros de altura. O Capitão Tilliard, de uma fragata inglesa, a Sabrina, desembarcou nela em 4 de Julho e aí plantou o pavilhão britânico. Mas o oceano foi mais forte e após alguns meses a ilha desapareceu. Esta história foi descrita por Alexandre Dumas que dizia que a ilha Julia(entre ilha de Pantelleria e a Sícilia) e a exploração por Constant Prévost desta mesma ilha em 27, 28, e 29 de Setembro de 1831.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Ilhéu da Vila Franca do Campo - Açores - Portugal

O Ilhéu de Vila Franca do Campo está localizado na costa sul de São Miguel, a cerca de 1 Km da costa da vila que lhe deu o nome. A sua actual morfologia é o resultado da acção da erosão marinha sobre um cone vulcânico com uma composição geológica baseada em tufo.
Presentemente, os bordos da cratera compõem dois ilhéus, o ilhéu Pequenino situado na costa nordeste e o Ilhéu Grande que constitui a maior estrutura emergente. A cratera por eles definida, forma uma baía quase circular com cerca de 150 metros de diâmetro que comunica com o mar através de um pequeno canal orientado a norte, entre o ilhéu Grande e o ilhéu Pequenino. Blocos de rocha basáltica dominam as zonas mais influenciadas pela acção da ondulação, tais como o canal de entrada e as várias fissuras através das quais a água sai da cratera (localmente conhecidas por golas).
Tendo sido descoberto em 1537, a história do Ilhéu de Vila Franca do Campo atravessa numerosos proprietários e funções tão diferentes como de forte militar, porto de abrigo, vigia da baleia e zona de cultura de vinha. Em 1983, face a um uso indiscriminado, surgiu a necessidade de proteger o interesse natural e paisagístico do ilhéu, tendo sido publicado o Decreto Regulamentar Regional n.º 3/83/A, que classificou o Ilhéu de Vila Franca do Campo como Reserva Natural.
A Reserva Natural compreende uma área terrestre de 5 ha, que inclui todo o ilhéu, e a área marítima adjacente até uma profundidade de 30 metros.
Embora marcada por uma forte intervenção humana, as comunidades terrestres incluem ainda matos macaronésios naturais de faia e urze, sobretudo na face norte do ilhéu Pequenino, onde subsistem espécies como o bracel Festuca Petraea, o Juncus Acutus,a urze Erica Scoparia Azorica e a faia-da-terra Myrica Faya. O Ilhéu Grandeencontra-se fortemente dominado pela presença de flora introduzida, sendo a cana Arundo Donax e a árvore de folhagem permanente Metrosideros Tomentosa as mais abudantes.



Relativamente à diversidade de aves da comunidade de aves marinhas que ocorre e nidifica no ilhéu existem referências bem documentadas, tendo a área sido recentemente inclúida na lista de Important Bird Areas dos Açores, publicada este ano pela Birdlife International. No ilhéu e na costa envolvente nidificam uma colónia de cerca de 300 casais de cagarros Calonectris Diomedea e uma colónia de garajáus-comuns Sterna Hirundo de cerca de 10 casais. Existem ainda dados de ocorrência de freira-do-bugio Pterodroma Feae e de Oceanodroma Castro na mesma costa.
A composição e distribuição das comunidades litorais evidenciam diferenças que resultam da localização (mais ou menos exposta) e o tipo de seustrato (sedimentar ou rochoso), traduzindo-se numa das grandes riquezas desta área protegida. Numerosas espécies de algas e invertebrados caracterizam a zona-entre-marés. Entre as mais conhecidas e facilmente identificáveis encontra-se a Ligia Italica (pequeno crustáceo isópode), Melarhaphe Neritoides (gastrópode), Fucus Spiralis (alga castanha localmente conhecida por fava-do-mar), Patella Candei (lapa mansa), Carollina Officinalis (alga vermelha de fonte calcária), Paracentrotus Lividus (ouriço) e Ophidiaster Ophidianus (estrela-do-mar). A nível submarino, as golas encontram-se entre os habitates mais típicos desta área protegida e de maior interesse, sobretudo pela fauna ciáfila que abrigam.

Nos Açores, as paredes destes corredores são normalmente recobertas por organismos como esponjas, briozários encrostrantes, madreporários (como Caryophillia Smithii) e minúsculos hidrários. Sobre o fundo e sobre as irregularidades do substrato, encontramos vulgarmente pequenos camarões de tons avermelhados (Plesionika Narval) e crustáceos de maiores dimensões como caranguejos-ermitas (Dardanus Callidus) e os sempre surpreendentes cavacos (Scyllarides Latus). Ao nível dos peixes, congros (Conger Conger), abróteas (Phycis Phycis) e foliões (Apogon Imberbis), são as espécies mais frequentes.



O fundo da baía interior do ilhéu é composto por rocha nua parcialmente coberta de areia, sendo as zonas sul e sudeste as mais profundas. Para além da comunicação que a baía estabelece com o mar através do canal estreito acima referido, as golas são importantes para a comunidade da baía, na medida em que providenciam trocas adicionais de água e areia entre a baía e o mar aberto. A configuração do banco de areia em forma de crescente, sofre certamente influência de factores sazonais, mas parece resultar da força relativa da água que atravessa as fissuras e da direcção predominante dos ventos.

Sobre o quadrante noroeste da baía desenvolve-se um interessantíssimo povoamento formado por algas calcárias de crescimento livre (maerl). Crescendo a partir dos núcleos centrais, estas algas vão desenvolvendo prolongamentos em várias direcções. À medida que as suas dimensões vão aumentando, as ondas passam a movimentar e a rolar as algas mais frequentemente, levando a um arredondamento do contorno exterior formado pelos vários prolongamentos. No auge do seu desenvolvimento, estes nódulos adquirem uma forma esférica e atingem o tamanho de bolas de golfe. O Ilhéu de Vila Franca do Campo é o único local dos Açores onde se registou a ocorrência deste tipo de povoamento.
Apesar de não ser habitado, o Ilhéu de Vila Franca do Campo sofre uma intensa pressão turística durante a época balnear. No Verão, existe mesmo um barco que estabelece uma carreira regular que chega a transportar para o ilhéu cerca de 600 pessoas por dia - um número claramente excessivo, se tivermos em conta a sua dimensão e os objectivos de conservação da natureza que lhe estão atribuídos.

O Decreto Regulamentar Regional n.º 3/83/A de 3 de Março que classifica o ilhéu como área protegida prevê algumas medidas regulamentares no domínio da exploração dos recursos marinhos. Desta forma, não são permitidas na zona marítima a pesca e a apanha de moluscos, crustáceos e outros invertebrados, bem como a colheita de plantas aquáticas.
No entanto, face à elevada pressão turística que se faz sentir na ilha de São Miguel, o uso e acesso ao ilhéu deverão ser avaliados em função da protecção das espécies e habitates naturais que se pretende para aquela área. Neste sentido, e uma vez que a pressão se verifica especialmente durante a época balnear, a gestão dos recursos costeiros e marinhos do ilhéu de Vila Franca do Campo irá exigir a combinação de uma série de medidas que vão desde acções dirigidas a áreas ou usos particulares até regulamentos gerais que se aplicam à totalidade da área.

Vila Franca do Campo - História - Açores - Portugal

Vila Franca do campo foi durante o primeiro século de povoamento a mais importante povoação da ilha de São Miguel, nela se fixando o capitão do donatário e as principais instituições da ilha (alfândega, ouvidoria), pelo que merece o epíteto de primeira capital micaelense.



Vila Franca do CampoAquela situação terminou quando na noite de 21 para 22 de Outubro de 1522, um violento sismo provocou um grande escorregamento de terras nas encostas sobranceiras à vila, causando um lahar que soterrou a maior parte do povoado. O efeito combinado do sismo e do soterramento provocou a morte a alguns milhares de pessoas. O sismo, hoje conhecido por subversão de Vila Franca, causou ainda mortes em muitas outras povoações de São Miguel e também grandes escorregamentos de terras na Maia e região circunvizinha e em Ponta Garça. A tragédia de Vila Franca inspirou muitos escritos e pelo menos um romance de raiz oral intitulado Romance que se fez d'algumas mágoas, e perdas que causou o tremor de Vila Franca do Campo, editado por Teófilo Braga.

Apesar da destruição, Vila Franca manteve até ao século XVIII, quando a Ribeira Grande a suplantou em importância, o papel de segunda povoação da ilha (depois de Ponta Delgada, nela se desenrolando alguns dos mais importantes eventos das lutas contra entre os partidários de D. António, Prior do Crato e de Castela, que culminaram na batalha naval de Vila Franca, travada ao longo do litoral sul da ilha de São Miguel a 26 de Julho de 1582. Após a batalha, o marquês de Santa Cruz de Mudela, D. Álvaro de Bazán, desembarcou na vila, nela estabelecendo o seu quartel general e ali fazendo supliciar cerca de 800 prisioneiros franceses e portugueses, no maior massacre jamais ocorrido nos Açores.Em Julho de 1562 nasceu nesta povoação Bento de Goes (ou Bento de Góis) que empreendeu na Ásia Central, entre 1602 e 1606, a maior viagem de exploração terrestre portuguesa e uma das maiores de sempre da história da humanidade.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Santa Cruz - São Miguel - Açores - Portugal

A freguesia de Santa Cruz situa-se na costa sul da ilha de São Miguel. Confronta com as freguesias do Rosário, Cabouco e Água de Pau. Constitui, com o Rosário, a Vila da Lagoa. Apresenta uma área de 14,26 Km2, integrando o lugar dos Remédios.
A sua população é constituída por 3501 habitantes, de acordo com os censos de 2001.
Foi na zona da actual igreja de Santa Cruz que os fundadores da Vila da Lagoa se fixaram, junto a uma lagoa então aí existente e que viria a dar nome ao povoado.


Celebra a sua festa religiosa no primeiro domingo de Agosto, em honra ao Santíssimo.
Anualmente, a 13 de Junho, realizam-se as tradicionais festas de Santo António, promovidas pela Junta de Freguesia. A maior atracção destas festas são as marchas, que contam com a participação da juventude da freguesia e das escolas do Concelho. Esta, sendo uma das maiores festas populares, atrai todos os anos diversos forasteiros.
É nesta freguesia que se situa o Edifício dos Paços do Concelho, mais concretamente no Largo D. João III.

Nossa Senhora do Rosário - São Miguel - Açores

A freguesia do Rosário situa-se na costa sul de São Miguel. Confronta com os concelhos de Ponta Delgada e Ribeira Grande e com as freguesias de Cabouco e Santa Cruz. Apresenta uma área de 5,92 Km2, integrando o lugar da Atalhada. De acordo com os censos de 2001, a sua população é constituída por 5401 habitantes.


Esta freguesia constitui, junto com Santa Cruz, a Vila da Lagoa.

No primeiro domingo de Julho, nesta freguesia, celebra-se o dia do Sagrado Coração de Jesus. O dia de Nossa Senhora do Rosário é festejado no segundo domingo de Outubro. Salienta-se ainda a Festa da Juventude, no Porto dos Carneiros, no terceiro fim-de-semana de Julho. Trata-se de uma festa dedicada à juventude, onde não faltam as barraquinhas de comes e bebes e muita música.

No lugar da Atalhada, a festa religiosa é celebrada no primeiro domingo de Setembro – Nossa Senhora das Necessidades.

Ribeira Chã - História - São Miguel - Portugal

A freguesia de Ribeira Chã fica situada na costa sul da ilha de São Miguel, a cerca de 10 km da Vila da Lagoa. Confronta com o mar e com as freguesias de Água de Pau e Água D’Alto (Concelho de Vila Franca do Campo). Apresenta uma área de 2,52 Km2 e a sua população é composta por 366 habitantes, de acordo com os resultados dos censos de 2001. O seu nome advém da ribeira que corre nas suas proximidades e que desagua no mar, por uma grota coberta de lajes rasas.
Inicialmente, a Ribeira Chã pertencia à Vila de Água de Pau. No entanto, foi elevada a freguesia a 18 de Maio de 1966. Nesta freguesia, podem-se visitar diferentes museus, onde é evidenciada a religiosidade e as vivências rurais do seu povo. A sua igreja, construída pelo povo e com o auxílio dos Viscondes da Praia, foi inaugurada em 1967.No primeiro domingo de Agosto, a população desta freguesia festeja a sua festa religiosa – Santíssimo Sacramento.

Água de Pau - História - São Miguel - Açores - Portugal


Água de Pau é uma freguesia do concelho da Lagoa, com 17,43 km² de área e cerca de 4000 habitantes. Densidade: 179,1 hab./km².
No contexto do povoamento dos Açores é muito antiga esta freguesia, sendo elevada a esta categoria em 28 de Julho de 1500. Foi destruída a sua igreja pelo terramoto de 1522, iniciando-se a reconstrução em 10 de Novembro de 1525. A primitiva igreja foi condecorada por D. Manuel I, em 1521, com o hábito de Cristo. Água de Pau, freguesia do Concelho da Lagoa com 4000 habitantes, fica situada na costa Sul da Ilha de São Miguel, a cerca de 17 km de Ponta Delgada e a 7 km da sede do concelho.

A fixação dos primeiros habitantes em Água de Pau terá ocorrido devido à existência de nascentes de água potável, por ser atravessada por uma ribeira que serviu a localidade como fonte de energia e, por último, devido ao facto de as suas terras serem férteis e abrigadas. No século XVI, a principal cultura terá sido a do pastel, enquanto que na zona do Paul existiam "pomares de muita fruta" e na Caloura predominavam a vinha e as figueiras.
Hoje, grande parte da sua população dedica-se à agropecuária e à agricultura, sendo também de registar o número daqueles que têm a sua ocupação na construção civil, nos serviços e no comércio. O artesanato tem forte implantação na localidade, sendo de realçar os trabalhos em vime e de tecelagem.

A 28 de Julho de 1515, por carta régia de D. Manuel I, Água de Pau foi elevada a Vila. Trezentos e trinta e oito anos depois "devido à falta de recursos e de elementos indispensáveis para poder continuar a ter uma administração regular", o concelho de Água de Pau foi extinto por força do decreto de 19 de Outubro de 1853.

Do ponto de vista cultural destaca-se a criação, em 1859, da primeira banda de música da localidade "A União". A "Fraternidade Rural", banda ainda hoje existente, foi criada em 1867 com a designação de "Estímulo Artístico". Hoje, é grande o dinamismo da comunidade pauense na área da cultura, com a actividade das seguintes entidades: o Grupo Jovem Pauense, a Associação Musical "Os Amigos da Paz", o Grupo Musical "Lua Nova", o Grupo "Amantes da Musica", o Grupo de Escoteiros nº 97 da Vila de Água de Pau e ainda o Grupo "Luar de Agosto".

A Vila de Água de Pau,integrava o povoado de Ribeira Chã. O concelho foi extinto em 1853 e o seu território incorporado no concelho da Lagoa. Pelo Decreto Legislativo Regional n.º 29/2003/A, de 24 de Junho, a freguesia de Água de Pau reforçou a categoria de “vila”, que jamais perdeu, tendo perdido o estatuto de concelho mas nunca lhe fora retirado o título de vila.
Além da igreja matriz, teve ainda as Igrejas de Nossa Senhora da Ajuda, Nossa Senhora de Monserrate, São Pedro, Nossa Senhora do Rosário, São Sebastião, Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora da Conceição, a maioria já desaparecidas.

Locais de Interesse na Lagoa - São Miguel - Açores - Portugal

O Concelho de Lagoa proporciona aos amantes da natureza uma excelente oferta paisagística, constituindo no seu todo, um óptimo cartão de visita, impressionando todos os que por aqui passam.

O ex-libris turístico do Concelho é constituído pelo lugar da Caloura. Vinhedos entre muros de pedra negra, o típico porto protegido pela alta falésia de rochas vulcânicas e o conventinho caiado de branco, fazem as delícias dos seus visitantes. Não se trata de uma praia, mas sim de um porto, com uma piscina natural e vários acessos ao mar por escadas e cobiçada pelas suas águas límpidas. O fundo do mar é coberto por cascalho e alguma areia. Mesmo ao lado existe um pequeno porto de pesca artesanal, com uma moderna rampa de varagem e câmara frigorífica e apresenta sempre um aspecto muito limpo, por se tratar de uma obra recente. Nesta zona, existe um bar com esplanada, que serve refeições, e dois balneários.

Beneficiando de um microclima favorável, a Caloura é um lugar de veraneio muito procurado. Oferece a oportunidade de um refrescante banho de mar nas águas transparentes do seu porto, galardoadas com o Programa Bandeira Azul. Daí ser considerada um paraíso junto ao mar.
O acesso é feito por uma estrada regional, tendo estacionamento com capacidade para 100 veículos. Aqui, realizam-se diversas actividades culturais durante o ano, sendo a mais relevante a Festa do Pescador, que atrai milhares de forasteiros à Caloura. Esta festa inclui festival de folclore e várias actividades náuticas.






O serviço de apoio no Porto da Caloura é composto por um nadador salvador e um vigilante, diversos equipamentos de salvamento, um pequeno porto com rampa de acesso para actividades náuticas (barcos e motas), contentores e papeleiras de lixo.

Ainda em Água de Pau, no Pico da Figueira, temos o Miradouro do Monte Santo, onde se pode desfrutar de um belíssimo panorama das redondezas. Mais acima, na Estrada Regional entre esta Vila e a freguesia da Ribeira Chã, encontra-se o Miradouro do Pisão, que oferece uma linda panorâmica sobre a região da Caloura e a costa sul da ilha de São Miguel.


Em Água de Pau, pode ainda passar pelo Jardim dos Anjos. Inicialmente construído nos anos sessenta, este tem passado por diversas remodelações, tendo sido a última em 1991. Situa-se em frente à Igreja Paroquial desta Vila.

A freguesia de Santa Cruz abriga o parque florestal Chã da Macela, com uma extensa área onde crescem várias espécies vegetais, umas endémicas (louro, queiró, urze, cedro do mato, uva da serra), outras introduzidas (araucárias, criptomérias, cedros, acácias, pinheiros).
Aqui, além da exuberante vegetação, pode admirar os animais que aí habitam e aproveitar para descansar nos verdejantes espaços de lazer.


O Jardim do Convento dos Franciscanos é um dos mais importantes pontos turísticos da freguesia de Santa Cruz.
No Rosário, no Largo do Porto dos Carneiros, situa-se a baía onde aportavam os primeiros barcos de pesca da Lagoa. Foi na zona do actual porto que antes do início do povoamento foi lançado gado na ilha, de modo a alimentar os futuros povoadores, daí o nome de Porto dos Carneiros.
Este local, que recentemente foi alvo de obras de beneficiação, apresenta uma arquitectura muito interessante, onde se destaca o bonito edifício “Mercado de Peixe”, actual Lota. É uma bonita zona de lazer com excelentes restaurantes.


Ainda no Rosário, aprecie um dos melhores complexos de piscinas da ilha de São Miguel – Complexo Municipal de Piscinas de Lagoa. Situado na Rua Cidade de New Bedford, este complexo surge como um verdadeiro “monumento” em homenagem a todos os que gostam do sol e do mar. Além de uma piscina coberta, possui piscinas naturais, uma piscina semi-olímpica, piscinas para crianças e excelentes infra-estruturas de apoio, como bar com esplanada, vestiários, sanitários e parque de estacionamento.

Trata-se de um conjunto de baixios que se estendem de forma irregular por cerca de 150 metros, numa zona em que a costa se apresenta bastante recortada e em que se fez o seu aproveitamento para espaço de lazer. É de salientar que esta não é uma obra de hoje. No local que deu origem ao actual Complexo de Piscinas já existia anteriormente a chamada Piscina Municipal, mas que em virtude do temporal a 26 de Dezembro de 1996, que causou avultados prejuízos, houve necessidade de se proceder a obras de recuperação. Este Complexo goza de uma adequada integração paisagística, possui excelentes condições técnicas e preserva as excepcionais condições costeiras, nomeadamente a qualidade das suas águas, que por isso mesmo tem alcançado ano após ano a Bandeira Azul. Por tudo isto, pode-se dizer que o Complexo Municipal de Piscinas na Lagoa usufrui de condições únicas, para que os amantes do sol e do mar possam passar os seus dias de férias de forma inesquecível. Ao sol, associa-se o cheiro da maresia, um céu azul, águas límpidas e transparentes que permitem um horizonte de emoções e pensamentos, num espaço que é rico em convívio e boa disposição.

A Praça de Nossa Senhora da Graça também é uma área de agradável permanência e lazer, existindo um anfiteatro ao ar livre, destinado a manifestações de âmbito cultural e recreativo.
Largo de Ville Sainte Thérèse, na Freguesia do Rosário, advém de um protocolo, realizado no ano de 1996, entre o Concelho da Lagoa e a Ville de Sainte Thérèse, no Canadá. Este largo simboliza a amizade existente entre as duas comunidades.


História da Lagoa - São Miguel - Açores - Portugal

A Lagoa começou a ser povoada pouco depois da descoberta da Ilha de S. Miguel. Os seus primeiros habitantes estabeleceram-se nos locais, onde mais tarde surgiram, as vilas de Lagoa e Água de Pau.

A Lagoa foi o local escolhido pela sua abrigada enseada, tornando-se desde cedo local de embarque e desembarque. Foi a partir do Porto dos Carneiros que foi lançado gado, incluindo carneiros, e outros animais na Ilha.


“A villa d’ALagoa, chamada assim por uma que teve defronte da porta da Egreja principal acima d’um recife e porto que tem onde podiam entrar bateis, na qual antigamente se tomou já muito pescado, por entrar ás vezes o mar nela, e bebia o gado e nadavam por passatempo algumas pessoas (…).”
Gaspar Fructuoso


O próprio nome de Lagoa é elucidativo de como os primeiros povoadores escolhiam lugares propícios à sua fixação. Nela encontraram água e um porto de abrigo.
Foi na zona da actual Igreja de Santa Cruz que os fundadores da Vila da Lagoa se fixaram (junto a uma lagoa ali existente, razão do nome atribuído ao povoado).
Ao longo do séc. XV, a população da ilha não cessa de aumentar e na Lagoa o seu povoado foi-se desenvolvendo para oeste, em direcção a uma baía que acolheu os primeiros barcos de pesca: o Porto dos Carneiros.




A leste da Vila de Lagoa foram-se fixando algumas famílias atraídas por prometedoras terras de cultivo e um excelente curso de água – Água de Pau.
A 11 de Abril de 1522 a Lagoa é elevada a Vila e sede de Concelho, altura em que já contava com 1600 habitantes e 300 habitações.


Em 1522 quando a Lagoa foi elevada a Vila era considerada uma das melhores regiões agrícolas da ilha, predominando as culturas de trigo, do pastel e do vinho. O seu porto desempenhava um papel importante na actividade económica (exportação de trigo e venda de peixe).
Entretanto, a introdução da cultura de laranja e a subsequente exportação para a Europa fez prosperar a Vila de Lagoa e Água de Pau. A construção de moradias intensifica-se assim como solares e capelas.


A prosperidade acentuou-se no séc. XIX quando a Vila de Lagoa viu surgir fábricas de cerâmica e destilação de álcool.
No séc. XX, surgiram novas fábricas, designadamente de óleo vegetal, sabão e de ração para animais.


A exploração agro-pecuária e a pesca também ganharam expressão no Concelho.
No final do séc. XX e na actualidade o sector terciário assume-se como o principal empregador do Concelho (58,2% da população activa) e o número de empresas deste sector sedeadas na Lagoa, cresceu na ordem dos 17,2%, de 2001 para 2004.
Na actualidade, pode-se afirmar que a Lagoa começa a despontar para o desenvolvimento turístico e as empresas de serviços começam a crescer em número e em importância na economia do Concelho.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

História Completa - Açores - Portugal

Os Açores são um arquipélago descoberto e povoado por portugueses no princípio do século XV.

O Arquipélago é constituído por nove ilhas situadas a um terço do caminho entre a Europa e a América do Norte.

Localizado sobre a dorsal médio-atlântica (conjunto de falhas que separam as placas tectónicas da Europa e da América), os Açores têm o único vulcão activo (presentemente adormecido) do território nacional, bem como vários vulcões submarinos e o ponto mais alto do País - o Pico (2 351 m).

Possuem ainda um dos mais belos lagos em crateras vulcânicas - a Lagoa das Sete Cidades.

Uma das suas ilhas, o Pico, onde durante séculos se caçaram baleias por métodos artesanais, é hoje um local de importância mundial para a observação e estudo destes mamíferos marinhos.

Embora desconhecendo-se a data precisa da descoberta do arquipélago dos Açores, os relatos históricos apontam Santa Maria e São Miguel como as primeiras ilhas a serem reconhecidas, por volta do ano de 1427, pelo navegador português Diogo de Silves, que terá feito um primeiro reconhecimento do seu litoral.

Anos mais tarde, a 15 de Agosto de 1432, dia da Assunção de Nossa Senhora, Gonçalo Velho Cabral, com a dúzia de tripulantes que consigo trazia na minúscula caravela com que atravessara as águas do oceano, chega e desembarca na ilha a que daria o nome de Santa Maria, em homenagem à Virgem Santa.

O povoamento da ilha, a primeira dos Açores a ser povoada, deu-se no ano de 1439, fixando-se os primeiros povoadores na Praia dos Lobos, ao longo da Ribeira do Capitão. Mais tarde e com o intuito de dar novo impulso ao povoamento da ilha, João Soares de Albergaria, sobrinho do primeiro capitão-donatário de Santa Maria, Gonçalo Velho, e seu herdeiro, traz para ela algumas famílias do continente, sobretudo do Algarve, registando-se assim um grande desenvolvimento da ilha, o que leva à concessão do primeiro foral de vila nos Açores, ficando a respectiva localidade conhecida como Vila do Porto, ainda hoje o mais importante e principal centro urbano da ilha.


Gaspar Corte Real

Foi em Santa Maria que Cristovão Colombo fez escala, no regresso da sua primeira viagem à América, em 1493, desembarcando perto do lugar dos Anjos a fim de cumprir uma promessa feita em alto mar, a de ouvir missa numa igreja de devoção a Nossa Senhora, na primeira terra que a encontrasse. Após o desembarque, tendo sido tomado por pirata, foi feito prisioneiro às ordens do Governador da ilha, só sendo libertado após esclarecer as verdadeiras razões da sua escala.
Quanto ao povoamento de São Miguel os relatos apontam o seu início para o ano de 1444, por Gonçalo Velho Cabral, desembarcando os seus povoadores no lugar da Povoação, oriundos sobretudo da Estremadura, Alto Alentejo, Algarve e mesmo alguns estrangeiros, nomeadamente franceses, espalhando-se depois, com o correr dos anos, ao longo de toda a zona costeira da ilha e fixando-se nos locais de melhor acessibilidade e que melhores condições e facilidades de vida ofereciam, essencialmente no que se referia ao aproveitamento do solo.

A fertilidade deste, aliada à priveligiada posição geográfica das ilhas no meio do Atlântico, rapidamente contribuiram para uma forte expansão económica de São Miguel através, da produção do trigo que se exportava para abastecimento das guarnições portuguesas das praças do Norte de África, do fabrico do açúcar de cana e da exportação para a Flandres das plantas tintureiras do pastel e da urzela. Mais tarde, a grande proliferação de laranjais traz para a ilha significativa riqueza pela exportação de laranja, cujo principal mercado era a Inglaterra.

Almeida Garett


Palco nos finais do séc.XVI e princípios do séc.XVII de ataques de corsários franceses, ingleses e argelinos, em 1582 São Miguel é ocupada por tropas espanholas, após a derrota, em frente a Vila Franca do Campo, duma esquadra francesa em que também combatiam tropas portuguesas de apoio a D.António, prior do Crato, pretendente ao trono de Portugal então vago, só recuperando a sua condição de território português livre após a Restauração da Independência Nacional, em Dezembro de 1640.

A primeira capital de São Miguel foi Vila Franca do Campo, que perdeu essa condição após ter sido soterrada na sequência de um violento terramoto sentido em 1522, surgindo em sua substituição Ponta Delgada, localidade situada cerca de 25 Km para leste, já então sede de município e que, em 1546, viria a tornar-se na primeira cidade da ilha. Já nos nossos dias, mais propriamente em 1981, a Ribeira Grande, povoação que em 1507 recebera de D. Manuel o foral de vila e que se localiza na costa norte de São Miguel a 18 Km de Ponta Delgada, é elevada à categoria de cidade.

A terceira ilha dos Açores a ser descoberta designava-se inicialmente por Ilha de Jesus Cristo, adoptando, posterior e definitivamente, o nome de Terceira. A concessão da sua capitania foi feita pelo Infante D.Henrique ao flamengo Jácome de Bruges que, por volta de 1450, iniciou o seu povoamento, fixando-se os primeiros povoadores nas áreas de Porto Judeu e Praia da Vitória e estendendo-se posteriormente, tal como acontecera em São Miguel, a toda a periferia da ilha. A Terceira representa um marco importante na História de Portugal pois, aquando da sucessão ao trono português do rei Filipe II de Espanha em 1580, tomou firmemente o partido de D.António, prior do Crato, pretendente àquele trono. Resistindo galhardamente à tentativa de conquista da ilha pelos espanhóis, em 1581 o primeiro desembarque das tropas de Filipe II é totalmente derrotado na célebre batalha da Salga. Porém, dois anos mais tarde e após violentos combates, não consegue resistir a novo ataque da tropa espanhola, agora com um contingente muito superior comandado por D. Álvaro de Bazan, que ocupa a ilha, tornando-se assim esta na última parcela do território português a render-se à soberania espanhola.


Monumento aos baleeiros, em São Roque do Pico.


Durante o período em que esteve sob o domínio filipino, de 1583 a 1640, a Terceira que já então detinha posição de destaque como entreposto marítimo das rotas das Índias, adquire renovada importância como porto de escala dos galeões espanhóis que, do Perú e do México, transportavam fabulosas riquezas em ouro e prata, em direcção a Cádiz, privilegiando por isso o Império Espanhol as suas relações com a Ilha, naquela época. Na primeira metade do séc.XIX, a Terceira volta a assumir papel preponderante na História portuguesa: apoiando desde 1820 a causa liberal, em 1829 os Absolutistas são dominados após violenta batalha travada na baia da Vila da Praia, em que as tropas miguelistas foram derrotadas quando tentavam desembarcar na ilha.

A Vila da Praia passara por isso, a chamar-se Praia da Vitória e Angra, pelo espírito de sacrifício e patriotismo demonstrados recebe a designação de Angra do Heroísmo. A regência do reino é instalada em Angra e depois da conquista das restantes ilhas para a causa da Terceira, partem em direcção ao continente, em 1832, a armada e o exército que, desembarcando no Mindelo, proclamam a Carta Constitucional em todo o País. Angra do Heroísmo, a primeira cidade a ser criada nos Açores, em 1534 e sede da diocese açoriana, possui um património arquitectónico de grande valor, o que lhe mereceu ver incluída na lista do Património Mundial da UNESCO uma vasta zona de 6 Km2 (1983).



D. Dinis - Protectoros Navegantes - São Roque

O seu rico património sofreu duro golpe ao ser grandemente destruído por um violento sismo ocorrido em 1 de Janeiro de 1980, mas a forte determinação dos responsavéis pelo sua reconstrução levou a que os edifícios e monumentos então danificados, mantenham hoje a sua traça inicial.
Praia da Vitória, centro urbano situado na costa Leste da Terceira, a cerca de 22 Km de Angra, onde se localiza um amplo porto oceânico e, a 3 Km, um importante e estratégico aeroporto, com funções civis e militares, recebeu o título de cidade em 1981. Não existindo dados precisos sobre a data do descobrimento da Graciosa, é muito provavél que esta ilha tivesse sido pela primeira vez localizada por mareantes da vizinha Terceira, que lhe fica a 31 milhas marítimas para sudeste, por volta do ano de 1450. Iniciou o seu povoamento, também em data não determinada, Vasco Gil Sodré, um continental natural de Montemor-o-Velho que, com sua mulher, filhos e criados aportou ao Carapacho, local onde se fixou e construiu a sua casa, daí partindo para o desbravamento da ilha, no que foi pioneiro.

Não obstante ter construído uma alfândega e feito outras diligências para que lhe fosse doada a capitania da ilha, a Pedro Correia da Cunha, concunhado de Cristovão Colombo, foi confiada a capitania da parte norte da Graciosa e a Duarte Barreto, a da parte sul. O aumento da população da ilha, resultado sobretudo da vinda de gentes das Beiras, do Minho e da Flandres, reflecte-se na sua prosperidade, o que leva Santa Cruz a receber o foral de vila em 1486, recebendo a Praia, 60 anos mais tarde, igual mercê. Virada desde os primórdios do povoamento para a agricultura e para a plantação de vinhas, já no séc.XVI a Graciosa exportava trigo, cevada, vinho e aguardente, privilegiando todo o seu comércio com a Terceira, ilha que lhe ficava mais próximo e que possuia um amplo porto muito frequentado por navios de grande porte e que, além disso, na época era um importante centro económico e administrativo dos Açores.
Nos sécs.XVIII e XIX, a Graciosa foi anfitriã de proeminentes figuras da época, como o escritor francês Chateaubriand na sua fuga para a América durante a Revolução Francesa, o grande poeta português Almeida Garrett, então jovem de visita a seu tio e que na ilha escreve já versos que revelam o seu talento e o príncipe Alberto de Mónaco, notável pela sua dedicação a trabalhos de hidrografia e estudos da vida marinha, que chegou à ilha a bordo do seu famoso iate “Hirondelle”, nela tendo visitado a furna da Caldeira.
A data da descoberta e povoamento de São Jorge é uma incógnita, remontando ao ano de 1439 a primeira referência conhecida da ilha. Em 1443 esta era já habitada, mas o seu povoamento tem grande incremento com a chegada à ilha do nobre flamengo Wilhelm van der Haegen, que desembarcou no Topo e aí criou uma povoação, onde mais tarde viria a falecer, já então conhecido por Guilherme da Silveira. A capitania da ilha foi doada em 1483 a João Vaz Corte Real e o primeiro foral de vila em São Jorge foi atribuído, antes do final do séc.XV, à localidade de Velas. Assentando basicamente a sua economia na vinha e na produção de trigo além do pastel e da urzela que eram exportadas para a Flandres e outros países da Europa para uso na tinturaria, São Jorge prospera e, em 1510 e 1534 respectivamente, Topo e Calheta eram já sedes de concelho.




No período conturbado da subida ao trono português do rei Filipe II de Espanha, tal como a Terceira, São Jorge apoia incondicionalmente D.António, prior do Crato, capitulando frente aos espanhóis após a queda daquela ilha. Como outras do arquipélago, São Jorge foi também palco de ataques de corsários ingleses e franceses e cobiça dos piratas turcos e argelinos, ao longo dos sécs.XVI, XVII e XVIII.
Desconhecendo-se igualmente a data exacta da descoberta da ilha do Pico, sabe-se no entanto que o seu povoamento teve início por volta do ano de 1460, com naturais do norte de Portugal, no lugar das Lajes, posteriormente primeira vila e sede de concelho da ilha. Dedicando-se inicialmente os seus habitantes à produção de trigo e à exportação de pastel, após laborioso trabalho na transformação de extensos campos de lava em fertéis pomares e produtivos vinhedos, os picoenses voltam-se para a produção do famoso “Verdelho do Pico”, que atinge fama internacional, durante mais de 2 séculos, chegando mesmo a ser muito apreciado e consumido na mesa dos czares da Rússia. Um forte ataque de oídio, em meados do séc.XIX, destruiu praticamente todas as plantações de vinha, afectando sobre maneira a economia da ilha. Além da vinha, outra importante fonte de riqueza das gentes do Pico durante muitos anos foi a caça ao cachalote, actividade em que os picoenses eram exímios artesãos. Hoje, por força das leis internacionais de protecção àquela espécie, esta actividade é apenas uma grata recordação dos “Lobos do Mar”, orgulhosamente retratada no Museu dos Baleeiros, nas Lajes do Pico.

As vilas de São Roque, desde 1542 e da Madalena, desde 1723 são, os dois centros sede de concelho da Ilha Montanha, como também é conhecido o Pico. Designada nas antigas cartas e portulanos por Insule de Venture, a ilha do Faial só foi descoberta na primeira metade do séc.XV, embora ao certo não se saiba qual o ano. Do seu povoamento sabe-se que teve início antes de 1460, por povoadores vindo do norte de Portugal, que se terão instalado no lugar que hoje constitui a freguesia dos Cedros, na costa norte da ilha.
Alguns anos mais tarde, o fidalgo flamengo Josse Van Huerter, acompanhado de um grupo de compatriotas seus, desembarca no Faial, em busca do estanho e da prata que nela julgava existir e, apesar da desilusão de sua não existência, mas entusiasmado com a ilha, aí se instala, acabando mesmo por conseguir, em 1468, a carta de donatário da mesma. É então que trás da Flandres mais colonos, que se vão instalar no vale que hoje é conhecido por Vale dos Flamengos e onde se situa a freguesia do mesmo nome, perpetuando assim a sua fixação no lugar.
A agricultura e exportação do pastel são então as principais actividades da ilha. Nas lutas entre Liberais e Absolutistas no princípio do séc.XIX os faialenses apoiam os primeiros, combatendo valorosamente as tropas Miguelistas e contribuindo inclusivamente com um arsenal que viria a abastecer a frota que desembarcou no Mindelo. D.Pedro IV chega mesmo a visitar o Faial em 1832.
À Horta, elevada a cidade em 1833 em reconhecimento dos serviços prestados à causa liberal, chegou em 1919 o primeiro hidroavião a realizar a travessia do Atlântico e no Faial pela sua extraordinária situação geográfica, foram instaladas estações de cabos submarinos inter-continentais de nacionalidade inglesa, americana, francesa, alemã e italiana.

O porto da Horta construído em 1876, serviu de abrigo à frota aliada que participou na histórica invasão da Normandia, em 1944 durante a Segunda Grande Guerra Mundial. Em 1957, precedida de uma crise sísmica que durou 12 dias e em que foram sentidos mais de 200 abalos de terra, entrou em erupção o Vulcão dos Capelinhos, com a cratera principal localizada a cerca de 1 Km ao largo da ponta oeste do Faial e cuja actividade durou 13 meses, durante os quais foram projectadas milhares de toneladas de cinzas negras que acumulando-se acrescentaram à superfície da ilha, 2,4 Km2 de terra firme. As duas últimas, e mais ocidentais, ilhas do arquipélago dos Açores a serem descobertas foram as Flores e o Corvo, tendo sido reconhecidas por Diogo de Teive e seu filho João de Teive, por volta do ano de 1452.
Inicialmente denominada de São Tomás ou de Santa Iria, devido à grande abundância de flores amarelas - cubres - que revestiam toda a ilha, esta adaptou o nome por que hoje é conhecida: Ilha das Flores.
Ao fidalgo flamengo Wilhelm Van der Haegen é atribuído o início do povoamento das Flores, no ano de 1470, no Vale da Ribeira da Cruz mas o afastamento da ilha em relação às outras do arquipélago aliado à inexistência de ligações marítimas regulares que permitissem a exportação do pastel para a Flandres, levaram a que aquele fidalgo a abandonasse, indo então fixar-se em São Jorge.
Em princípios do séc.XVI, novo incremento é dado ao povoamento da ilha, cujas terras são arroteadas para a produção de trigo, cevada, milho e legumes, produtos destinados sobretudo ao consumo interno. Em 1515 o lugar das Lajes recebe o foral de vila para, em 1548, Santa Cruz receber idêntica mercê.

A ilha do Corvo conhecida anteriormente por Insula Corvi Marini, é a mais pequena do arquipélago com apenas 17 Km2 de superfície e tem vivido à base de uma agro-pastorícia com características muito próprias, que se tem mantido até aos nossos dias, embora com algumas modificações. A presença de baleeiros americanos nos mares dos Açores no final do séc.XVIII e XIX, foi chamariz dos corvinos que, na actividade da caça ao cachalote, foram conhecidos pela sua valentia, sendo por isso muito procurados para tripulantes de navios baleeiros. Seduzidos por melhores condições de vida, muitos desses tripulantes deixaram-se ficar por terras americanas, o que levou a que os índices de emigração de gentes do Corvo atingissem altos valores. Hoje, a Vila Nova do Corvo, único centro urbano da ilha e sede de concelho desde 1832, alberga uma população de cerca de 370 habitantes.

car sharing azores footer